Home       Quem somos       Dicas úteis       Fotos       Fale conosco
    Home
    Chás
    Garrafadas
    Pomadas
    Xaropes
    Princípio ativo das plantas
    Índios e o Meio Ambiente

— Amidalite: É uma doença infecciosa que atinge as amídalas, órgãos de defesa contra infecções.
Causas:
pode ser causada por vírus (mais fre1üentes nas crianças), por bactérias (atinge mais os jovens e adultos) ou pela associação dos dois agentes. Na amidalite bacteriana aparecem pontos de pus.
Sintomas:
os sintomas mais comuns são febre, dor de garganta, falta de apetite, hálito comprometido, dificuldade para engolir e, às vezes, inchação dos gânglios do pescoço e da madíbula, que têm a função de evitar a propagação da doença pelo organismo.
Recomendações:
Ficar longe de cigarro; Evitar ambiente com ar-condicionado, que resseca as mucosas e diminui a resistência das amídalas; Ingerir bebidas mornas, sopas e alimentos macios, uma vez que são mais tolerados durante as crises; Tomar muito líquido para hidratar as mucosas.
Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Angina: É causada pelo estreitamento das artérias que conduzem o sangue ao coração. A limitação da irrigação sangüínea provoca uma deficiência no suprimento de nutrientes e de oxigênio nesse órgão. A dor é sinal de que o coração está recebendo menos sangue do que precisa. Em geral, a angina é tratada com medicação específica. Existem situações, entretanto, que exigem procedimentos cirúrgicos como a implantação de pontes em artérias coronárias ou angioplastia (introdução de um balão inflado nas artérias coronárias estreitadas por um ateroma, para expandi-las e desbloqueá-las).
Recomendações:
Não fumar. O fumo sobrecarrega o coração obrigando-o a trabalhar com mais vigor. Fumar desencadeia ataques de angina; Se estiver acima do peso, procure reduzi-lo. Perca peso gradativamente adotando uma dieta de baixo conteúdo calórico, pouco colesterol e muita fibra; Exercite-se regurlamente. Todas as pessoas podem, pelo menos, caminhar ou nadar; Administre sua carga de estresse. Incorpore à sua rotina, atividades redutoras de estresse como exercícios, ioga, meditação, jardinagem, alguns hobbies, conversa com amigos, trabalho voluntário; Controlar a pressão arterial. Adote uma dieta de pouco sal. Aumente a ingestão de potássio e cálcio (bananas e batatas são ricos em potássio). Laticínios de baixo teor de gordura como iogurte e leite desnatado (são ricos em cálcio); Moderar a ingestão de álcool; Fazer refeições menores e mais freqüentes. Condicione sua alimentação diária a quatro ou cinco refeições leves em vez de três substanciais; Descansar por trinta ou quarenta minutos após cada refeição; Evitar temperaturas extremamente baixas ou muito elevadas; Todas as pessoas que sofrem de angina devem manter contato regular com o médico.
Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Apendicite: É a inflamação do apêndice, um pequeno órgão linfático, parecido com o dedo de uma luva, localizado no ceco, a primeira porção do intestino grosso. Na maioria dos casos, o problema ocorre por obstrução da luz dessa pequena saliência do ceco pela retenção de materiais diversos com restos fecais. O quadro inflamatório-infeccioso característico é mais freqüente entre os 20 e 30 anos e pode ser extremamente grave e levar à morte se o paceinte não for tratado a tempo.
Sintomas:
Falta de apetite é o principal sintoma. No entanto, como aparece em qualquer quadro infeccioso, torna-se um sinal inespecífico; Dor abdominal que se manifesta do lado direito e na parte baixa do abdômen. É uma dor pontual, contínua e localizada, fraca no início, mas que vai aumentando de intensidade; Colapso no aparelho disgestivo porque o intestino para de funcionar; Febre, queda do estado geral, náuseas, vômitos e certa apatia.
Recomendações:
procure assistência médica imediatamente se sentir dor na parte baixa e do lado direito do abdômen. Pode ser uma crise de apendicite aguda.
Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Ardor Anal: Costuma ocorrer durante ou logo após a evacuação e geralmente é causado por diarréia ou pelo excesso de condimentos fortes na alimentação.
Recomendações:
Suspender a ingestão de alimentos excessivamente temperados ou apimentados por alguns dias; Procure assistência médica imediatamente nos casos de ardor anal: Com sangramento; Não associado à evacuação; Com dor.
Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Arritmias: Arritmia ou Palpitação é um distúrbio do ritmo cardíaco, que provoca a sensação de que o coração deixou de dar uma batida. Exercícios ou estresse podem aumentar o ritmo cardíaco. Em pessoas com coração sadio, quando a demanda de esforço volta ao normal, o ritmo cardíaco também se restabelece rapidamente. O coração pode bater demasiado lento (bradicardia) ou demasiado rápido (taquicardia). Na maioria dos casos as arritmias são breves, desaparecem espontaneamente e naõ representam risco para a saúde. Arritmias gravas, muitas vezes, ocorrem por causa de infartos do miocário.
Cafeína, fumo, álcool e outras drogas estimulantes (legais ou ilícitas) podem desencadear batimentos extras tanto nos átrios quanto nos ventrículos. Usualmente as arritmias desaparecem assim que a pessoa afasta os fatores desencadeantes. Todavia, se os batimentos extras forem rápidos ou muito lentos e vierem acompanhados de tonturas e falta de ar, o quadro merece atenção porque pode indicar doenças cardíacas.
Recomendações:
Não fumar; Cortar bebidas que contenham cafeína; Procurar um médico; Se você é nervoso, sente calor demais, tem tremores nas mãos e transpira muito, sua arritmia pode estar associada à hiperatividade da tireóide.
Advertência:
Palpitações acompanhadas de compressão ou aperto no peito ou de perda de consciência são graves. Procure socorro médido imediatamente.
Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Azia: Também conhecida como refluxo gastroesofágico, ou simplesmente refluxo, é a sensação de queimação causada pelo retorno do suco gástrico para o esôfago. Quando comemos, os alimentos percorrem o esôfago e, antes de chegar ao estômago, atravessam o esfíncter esofágico inferior que deve manter-se fechado após a passagem do bolo alimentar para impedir que os ácidos digestivos refluam pelo esôfago acima. Às vezes, porém, os músculos desse esfíncter perdem a elasticidade e permanecem abertos, permitindo o refluxo que causa dor e a queimação típica da azia. A hérnia de hiato, causa mais freqüente do mau funcionamento do esfíncter esofágico inferior, é responsável por muitos casos de azia.
Recomendações:
Fazer refeições leves, comer sem pressa, mastigar bem os alimentos; Não praticar exercícios físicos, nem se abaixar ou se curvar após as refeições; Evitar beber durante as refeições; Não usar cintos ou roupas apertadas na região do abdômen; A obesidade pode aumentar a incidência de azia; Evitar chás, café, bebidas alcoólicas, chocolate e comidas gordurosas; Não fumar; Aumente a salivação com gomas de mascar ou balas duras. A saliva pode aliviar a dor; Evitar refeições perto do horário de deitar-se. Durma com travesseiros mais altos ou eleve a cabeceira da cama com um calço.
Advertência:
A dor provocada pela azia pode confundir-se com a dor da angina. No entanto, difere-se por não estar relacionada a esforços físicos e normalmente piorar quando a pessoa se deita. Se os sintomas vierem acompanhados de náuseas, tontura ou falta de ar, ou ainda a dor no peito irradiar-se para o braço ou mandíbula, procura assistência médica imediatamente, pois esses sintomas podem indicar um ataque cardíaco.
Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Bronquite: É a inflamação dos brônquios que ocorre quando seus músculos cílios param de eliminar o muco presente nas vias respiratórias. Esse acúmulo de secreção faz com que os brônquios fiquem permanentemente inflamados e contraídos. A bronquite pode ser aguda ou crônica. A diferença consiste na duração e agravamento das crises, que são mais curtas (uma ou duas semanas) na bronquite aguda, enquanto na crônica, não desaparecem e pioram pela manhã. A bronquite aguda é causada geralmente por vírus, embora, am alguns casos, possa ser uma infecção bacteriana. O cigarro é o principal responsável pelo agravamento da doença. Poeiras, poluentes ambientais e químicos também pioram o quadro. A bronquite crônica instala-se como extensão da bronquite aguda e pode ser provocada unicamente pela fumaça do cigarro. Por isso, é conhecida por "tosse dos fumantes", por ser rara entre não-fumantes.
Sintomas:
Tanto na forma aguda quanto na crônica, a tosse é o principal sintoma da bronquite. Tosse seca ou produtiva podem ser manifestações da bronquite aguda. Na crônica, porém, a tosse é sempre produtiva e a expectoração, espessa. Falta de ar e chiado são outros sintomas da doença.
Recomendações:
A medida mais importante para o tratamento da bronquite é parar de fumar. Se você não consegue, tente fumar menos e evite locais onde haja pessoas fumando; Utilize máscara ou outro equipamento protetor se você trabalha sujeito à inalação de elementos irritantes; Ingira bastante água, pois ela ajuda a diluir as secreções brônquicas e facilita a expectoração; Evite contato com pessoas resfriadas, gripadas ou com outras doenças transmissíveis por via respiratória; Não impeça a tosse produtiva; Evite locais onde o ar seja seco demais.
Atenção - A bronquite crônica aumenta o risco de outras infecções respiratórias, particularmente a pneumonia. Lembramos que a natureza tem ervas para cada tipo de doença. Temos as ervas necessárias para os eu tratamento.

— Outras: Para consultar e saber a respeito de outras doenças e seus sintomas, ligue (21) 3150-0367 e fale com o Índio Yapuan ou entre em contato através de nosso e-mail. Lembre-se de que a natureza tem ervas para cada tipo de doença.

    SOS Mata Atlântica

  • Projetos, informações e contatos     sobre a Mata Atlântica, um dos     mais importantes e devastados ecossistemas brasileiros

    FUNAI

  • Portal do cidadão - Povos Indígenas.

    IBAMA

  •  Instituto Brasileiro do Meio  Ambiente e Recursos Naturais  Renováveis

    PORTAL DO SANA